Magusto - algumas fotos

Finalmente, temos disponíveis algumas fotos do nosso Magusto.

Infelizmente, nem todas as crianças e catequistas puderam estar presentes, mas houve avós, pais, mães, irmãos, etc. de alguns meninos e meninas que quiseram estar connosco.

Como estava a chover, foi tudo feito dentro do Salão do Centro Social e Paroquial.Aqui ficam algumas fotos.

À espera de verem e ouvirem a "Lenda de S. Martinho":







Alguns dos meninos e meninas a lerem quadras sobre o S. Martinho:








O grupo do 6º ano prepara-se para apresentar uma canção com dança!



Depois de termos partilhado a merenda, a Fátima e a Sónia fizeram jogos com os meninos:




No final, deixámos tudo arrumado e limpo:



Mais uma vez, os nossos agradecimentos à Direcção do Centro Social e Paroquial de Constantim, particularmente ao seu Vice-Presidente, Senhor Fernando.

29 de Novembro - Domingo

SUGESTÃO

Comentários às Leituras da Celebração Dominical:

I Domingo do Tempo do Advento - Ano C

Saboreiem a Palavra de Deus!

«Leigos são a acção da Igreja no mundo»

«O papel dos leigos na missão da Igreja é específico e insubstituível, disse o Bispo do Funchal, para quem os leigos fazem a ponte entre a Igreja e o mundo, no sentido em que colaboram com os bispos, os sacerdotes e os religiosos em geral, e exercem as suas responsabilidades no meio onde estão inseridos.

De acordo com D. António Carrilho, “os leigos participam da mesma missão eclesial em corresponsabilidade”, pelo que “é importante que todos assumam a sua quota-parte, participando na sua actividade própria, específica”.

“A missão concreta da evangelização não pertence apenas ao Bispo ou aos padres”, há que “mobilizar-se e participar”, disse o Bispo do Funchal na II Jornada dos Leigos...» (in Agência Ecclesia)

Ler notícia na íntegra.

Ser feliz!





Posso ter defeitos, viver ansioso
e ficar irritado algumas vezes
mas não esqueço de que a minha vida
é a maior empresa do mundo,
e posso evitar que ela vá à falência.

Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver
apesar de todos os desafios,
incompreensões e períodos de crise.
Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas
e se tornar um autor da própria história.
È atravessar desertos fora de si,
mas ser capaz de encontrar um oásis
no recôndito da sua alma.

É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da Vida.
Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos.
É saber falar de si mesmo.
É ter coragem para ouvir um “não”.
É ter segurança para receber uma crítica,
mesmo que injusta.

Pedras no caminho?
Guardo-as todas, um dia vou construir um castelo…

Fernando Pessoa

Festa do Acolhimento - 1º ano da Catequese - Reunião de Pais

No próximo dia 29 de Novembro, 1º Domingo do Advento, durante a Eucaristia Dominical, vamos realizar a Festa do Acolhimento, particularmente dedicada às crianças que frequentam o 1º ano da Catequese, mas na qual devem também participar os respectivos pais/enc. de educação.

Para que a celebração possa correr da melhor maneira, vamos realizar uma reunião de preparação, às 15h do dia 22 de Novembro (Domingo), no Salão da Igreja Paroquial.

Gostaríamos de contar com a presença de todos, o que, desde já, agradecemos.

Domingo - 22 de Novembro - Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo

SUGESTÃO

Comentários às Leituras da Celebração Dominical:
XXXIV Domingo do Tempo Comum - Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo

Saboreiem a Palavra de Deus!

Oração da Serenidade

A Oração da Serenidade, segundo penso saber, teve origem nos Alcólicos Anónimos. No entanto, penso que nenhum de nós fica a perder se a rezar:

Magusto - localização

Amanhã, como já tínhamos comunicado, vamos realizar o nosso Magusto, no espaço onde se realizam as Festas e o Salão do Centro Social e Paroquial:



Esperamos que S. Pedro nos ajude, e nos deixe ficar o bom tempo durante alguns dias, para que se mantenha a tradição do "Verão de S. Martinho".

Nos próximos dias, visitem-nos para verem algumas fotografias do Magusto.

Constantim vista do ar - Google Earth


Vista aérea da maior parte da freguesia de Constantim

Mensagem ao Povo de Deus na comemoração dos 75 anos da Acção Católica Portuguesa

A Acção Católica Portuguesa comemorou festivamente, nos dias 7 e 8 de Novembro, na cidade do Porto, 75 anos da sua história. Os Bispos Portugueses, reunidos em Assembleia Plenária, dirigem-se ao Povo de Deus para manifestarem o seu reconhecimento e apreço por este Movimento de leigos cristãos e pelo que realizou e continua a realizar na Igreja, em Portugal,... (In Agência Ecclesia).

Ler artigo na íntegra

Dossier sobre a Acção Católica

Porque ninguém pode ficar indiferente!



Um dia, Jesus disse: "Tudo o que fizerdes ao mais pequenino dos meus irmãos, é a Mim que o fazeis."

O Mauro precisa de apoio financeiro para poder continuar a lutar pela Vida!

Quem quiser saber mais, visite o seu blog: Mauro vs Leucemia.

MAGUSTO - dia 15 de Novembro

O Grupo da Catequese vai realizar, no próximo dia 15 (Domingo), a partir das 15h, no Largo da Festa e no Salão de Festas do Centro Social e Paroquial de Constantim, um MAGUSTO.
Desde já, os nossos agradecimentos à Direcção do Centro Social e Paroquial de Constantim pela prestimosa colaboração.

Esta actividade é destinada, de modo particular, a todos os membros do Grupo da Catequese, incluindo Pároco, Pais e Encarregados de Educação, mas à qual se podem associar todos(as) aqueles(as) que quiserem: basta que levem algo de comer e de beber para partilhar durante a merenda.

O Programa previsto é o seguinte:

15h - Vamos conhecer ou relembrar a "Lenda do Verão de S. Martinho" e ver um filme-surpresa.

         Depois... vamos assar as castanhas...

                   A seguir ... partilhamos a merenda!

                               Mais a seguir... logo vemos o que fazer!

O convite está feito. Apareçam.

Entrevista de D. Joaquim Gonçalves

A propósito do Ano Sacerdotal, a decorrer até 19 de Junho de 2010, o nosso Bispo, D. Joaquim Gonçalves, concedeu uma entrevista ao Jornal “Notícias de Vila Real(edição de 4.11.2009), na qual aborda, de uma forma sintética, clara e elucidativa, alguns assuntos: “o significado do Ano Sacerdotal”, “”Vocação para o sacerdócio e vocação para o casamento”, “A (não) ordenação de homens casados”, “A (não) ordenação de mulheres” e, finalmente, “O trabalho pastoral de padres e de leigos”.

Com a devida vénia, retiramos das respostas que abordam o trabalho pastoral de padres e leigos (nas paróquias), as seguintes passagens, que tomamos a liberdade de transcrever:

- “A organização da pastoral, seja qual for, requer sempre o brio pessoal. A actual dá aos padres trabalho que chega e sobre. O grande pedido aos padres de hoje é que ensinemos leigos a trabalhar e que estes queiram trabalhar com os padres e não substituí-los.”

- “Os leigos por sua vez julgam que fazem muito em ir à missa e não se disponibilizam para o trabalho pastoral gratuito.”

- “ De modo geral, urge na Igreja uma conversão do estilo do padre e o leigo católico. O primeiro tem de aprender a formar grupos e ser pastor de grupos; os leigos têm de aceitar integrar grupos, aprender a exercer ministérios com conhecimentos rigorosos e de modo gratuito.”

- “(…) que as paróquias paguem algumas despesas na formação de leigos que tenham verdadeira vontade de aprender e de trabalhar.”

- “Aí está a urgência da conversão de mentalidades. O Concílio que apresenta a Igreja como povo de carismas e de ministérios, isto é, grupos de pessoas com qualidade, ordenados e leigos, não entrou ainda na quantidade e distribuição geográfica que era de esperar. Mas iremos prosseguir.”

Boletim (In)Formativo nº0

Já está disponível online (em formato .pdf) o nº0 do Boletim (In)Formativo do Grupo da Catequese Paroquial de Constantim.

A edição em papel começará a ser distribuído no próximo Sábado.

Digam-nos a vossa opinião, enviem sugestões, participem na respectiva melhoria e, se puderem, colaborem financeiramente na publicação do mesmo!

Desde já, os nossos agradecimentos.

«Pai, perdoa-lhes, pois não sabem o que fazem!...

O Tribunal Europeu, com sede em Estrasburgo, pronunciou-se sobre a queixa de uma cidadã italiana, que pediu a retirada dos crucifixos das salas de aulas da escola pública onde os seus filhos estudavam.

«Depois de anunciado o veredicto - sobre o qual o Governo de Itália, país fortemente influenciado pelo catolicismo, irá apresentar recurso - a ministra da Educação, Mariastella Gelmini, disse tratar-se de uma "decisão ideológica". A cruz "não significa adesão ao catolicismo; é um símbolo da nossa tradição", justificou.

A posição é partilhada pela maioria dos italianos, garantiu Franco Garelli, professor na Universidade de Turim e especialista em religiões. De acordo com o docente, em 2007, 77% dos italianos concordaram com a presença na sala de aula do símbolo, encarando-o como "sinal cultural". O Vaticano manifestou a sua surpresa, considerando "um erro e uma miopia" querer excluir da realidade educativa "um símbolo" fundamental da importância dos valores religiosos na história e cultura italiana", afirmou o porta-voz, o padre Federico Lombardi, à Rádio Vaticano.

A Conferência Episcopal Italiana (CEI) também manifestou a sua "amargura", denunciando "uma visão parcial e ideológica". Notando que as cruzes estão em toda parte, "nas ruas e nas praças", o bispo italiano Vincenzo Paglia, um dos líderes da CEI, afirmou: "Não acho que alguém tenha a pretensão de destruir as cruzes, porque elas representam a liberdade de religião."» (Retirado do Jornal de Notícias)

Pode ler o artígo na íntegra.

«Dos Santos aos Fiéis Defuntos»

«A proximidade destes dois dias do princípio de Novembro, respectivamente o dia 1 e 2 deste mês, levou a que frequentemente se imagine que se trata de uma única celebração em dois dias consecutivos. No entanto, não é assim, embora cada um destes dois dias tenha muito de comum, que é a celebração do mistério da vida para além da morte e a esperança de nela tomarmos parte, como membros do mesmo e único Corpo de Cristo.

Os Santos sempre foram celebrados desde o princípio do Cristianismo, particularmente os Mártires. As Igrejas do Oriente foram as primeiras (século IV) a promover uma celebração conjunta de todos os Santos quer no contexto feliz do tempo pascal quer na semana imediatamente a seguir. Os santos - com destaque para os mártires - são, de facto, modelo sublime de participação no mistério pascal.(...)» (retirado da Agência Ecclesia)

Ler artigo na íntegra

Todos os Santos - 1 de Novembro


Nota histórica:

«Os Santos, tendo atingido pela multiforme graça de Deus a perfeição e alcançado a salvação eterna, cantam hoje a Deus no Céu, o louvor perfeito e intercedem por nós.

A Igreja proclama o mistério pascal, realizado na paixão e glorificação deles com Cristo, propõe aos fiéis os seus exemplos, que conduzem os homens ao Pai por Cristo; e implora, pelos seus méritos, as bênçãos de Deus.

Segundo a sua tradição, a Igreja venera os Santos e as suas relíquias autênticas, bem como as suas imagens. É que as festas dos Santos proclamam as grandes obras de Cristo nos Seus servos e oferecem aos fiéis os bons exemplos a imitar» (Constituição Litúrgica, n.º 104 e 111).
(...)

Liturgia das horas

Dos Sermões de São Bernardo, abade
(Sermo 2: Opera omnia, Ed. Cisterc. 5[1968], 364-368 (Sec. XII)

Corramos para os irmãos que nos esperam

Que aproveitam aos Santos o nosso louvor, a nossa glorificação e até esta mesma solenidade? Para quê tributar honras terrenas a quem o Pai celeste glorifica, segundo a promessa verdadeira do Filho? De que lhes servem os nossos pane-gíricos? Os Santos não precisam das nossas honras e nada podemos oferecer lhes com a nossa devoção. Realmente, venerar a sua memória interessa nos a nós e não a eles.

Por mim, confesso, com esta evocação sinto me inflamado por um anelo veemente.

O primeiro desejo que a recordação dos Santos excita ou aumenta em nós é o de gozar da sua amável companhia, de merecermos ser concidadãos e comensais dos espíritos bem aventurados, de sermos integrados na assembleia dos Patriarcas, na falange dos Profetas, no senado dos Apóstolos, no inumerável exército dos Mártires, na comunidade dos Confessores, nos coros das Virgens; enfim, de nos reunirmos e nos alegrarmos na comunhão de todos os Santos.

Aguarda nos aquela Igreja dos primogénitos e nós ficamos insensíveis; desejam os Santos a nossa companhia e nós pouco nos importamos; esperam nos os justos e nós parecemos indiferentes.

Despertemos, finalmente, irmãos. Ressuscitemos com Cristo, procuremos as coisas do alto, saboreemos as coisas do alto. Desejemos os que nos desejam, corramos para os que nos aguardam, preparemo nos com as aspirações da nossa alma para entrar na presença daqueles que nos esperam. Não devemos apenas desejar a companhia dos Santos, mas também a sua felicidade, ambicionando com fervorosa diligência a glória daqueles por cuja presença suspiramos. Na verdade, esta ambição não é perniciosa, nem o desejo de tal glória é de modo algum perigoso.

Ao comemorarmos os Santos, um segundo desejo se inflama em nós: que, tal como a eles, Cristo, nossa vida, Se nos manifeste também e que nos manifestemos também nós com Ele revestidos de glória. É que de momento a nossa Cabeça revela Se nos não como é, mas como encarnou por nós, não coroada de glória, mas rodeada dos espinhos dos nossos pecados. Envergonhemo nos de sermos membros tão requintados sob uma Cabeça coroada de espinhos, à qual por agora a púrpura não proporciona honras mas afronta. Chegará o momento da vinda de Cristo; e já não se anunciará a sua morte, para sabermos que também nós estamos mortos e que a nossa vida está escondida com Ele. Aparecerá a Cabeça gloriosa e com ela resplandecerão os membros glorificados, quando Ele transformar o nosso corpo mortal e o tornar semelhante ao corpo glorioso da Cabeça que é Ele mesmo.

Desejemos pois esta glória com total e segura ambição. Mas para podermos esperar tal glória e aspirar a tamanha felicidade, devemos desejar também ardentemente a intercessão dos Santos, a fim de nos ser concedido pelo seu patrocínio o que as nossas possibilidades não alcançam.

(Fonte: Secretariado Nacional de Liturgia)

Também poderá gostar de ler sobre...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...