A Assunção da Santíssima Virgem


15 de Agosto, para os católicos, é festa da Assunção da Virgem Maria, a sua exaltação, solenidade antiga – data do séc. VII – que chegou a ser festa nacional num ou outro país cristão.

As representações mais antigas da Assunção colocam-nA como Alguém no “meio” de nós, destacando a sua proximidade e o seu idêntico destino ao da humanidade… Também Ela, embora Mãe de Deus, Imaculada, … esteve sujeita à morte como qualquer outro ser humano. Hoje não gostamos de falar dessa realidade e, certamente, também por causa disso esta Festa de Maria não retém o mesmo interesse que no passado.

De igual natureza à nossa, Deus antecipa nela o que está reservado a toda a humanidade: primeira redimida e ressuscitada, entra na alegria plena e perpétua, senta-se no trono de glória, “pertinho” do seu Criador, Salvador e Santificador… e para lá nos atrai.

*****

Diz a Sagrada Escritura: «À vossa direita, Senhor, a rainha do Céu, ornada do ouro mais fino.» (Salmo 44 [45])

*****

Concebida sem pecado
E Mãe do Filho Divino,

Tinha que ter o destino
De Jesus ressuscitado.

 
Agora que está nos Céus,
Virgem Mãe por nós vela:

Também somos Filhos Seus
E quer-nos ver junto d’Ela.

 
In “Jornal Avé Maria” – Vila Real, 10.08.2014

«Assunção» quer dizer “elevação”, subida da Mãe de Deus ao céus.

O dogma da Assunção da Virgem Maria foi proclamado, em 1950, pelo papa Pio XII, e constitui uma das festas marianas mais importante da Igreja. Desde o século VII, já se celebrava no Oriente a festa da “dormição” de Nossa Senhora, e foi o papa Sérgio I que a introduziu no Ocidente. A elevação de Maria de corpo e alma aos céus é a certeza de que, em Cristo, ressuscitaremos no último dia. Maria é nossa mãe, mas também é irmã nossa no céu, parte da humanidade glorificada pelo poder de Deus.

Imagem: pintura de André Gonçalves, 1686-1762

Também poderá gostar de ler sobre...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...