Os cinco defeitos de Jesus


 
Primeiro defeito: Jesus não tem boa memória
Na cruz, durante a Sua agonia, Jesus ouviu a voz do ladrão que estava crucificado à Sua direita: «Jesus, lembra-te de mim quando tiveres entrado no teu reino» (Lc 23, 42). Se tivesse sido eu, tinha-lhe respondido: «Não te esquecerei, mas os teus crimes têm que ser expiados, pelo menos, durante 20 anos no purgatório». No entanto, Jesus respondeu-lhe: «Em verdade te digo: hoje estarás comigo no paraíso» (Lc 23, 43). Jesus esqueceu todos os pecados daquele homem.



Bortolomé Esteban Murillo
O regresso do filho pródigo (1667-1670)
A parábola do filho pródigo conta-nos que este, de volta à casa paterna, prepara no seu coração aquilo que dirá ao pai: «Meu pai, pequei contra o céu e contra ti. Já não sou digno de ser chamado teu filho». (Lc 15, 21) Mas o pai, quando o vê chegar ao longe, já tinha esquecido tudo; corre ao seu encontro, abraça-o e não lhe dá, sequer, tempo para dizer o que tinha preparado, e diz aos seus servos, que ficam confusos: «Trazei-me depressa a melhor veste e vesti-lha, e ponde-lhe um anel no dedo e calçado nos pés. Trazei também um novilho gordo e matai-o; comamos e façamos uma festa. Este meu filho estava morto e reviveu; tinha-se perdido e foi achado». (Lc 15, 21-24)

Jesus não tem uma memória como a minha; não só perdoa, e perdoa a todos, mas também esquece que tinha perdoado.

Segundo defeito: Jesus não sabe Matemática

O Bom Pastor regozijando-se com seus amigos
Gravura de Jan Luyken na Bíblia de Bowyer
Se Jesus tivesse feito um exame a Matemática, talvez O tivessem chumbado. E prova-o a parábola da ovelha perdida. (Lc 15, 1-7)

Um pastor tinha cem ovelhas. Uma delas perde-se, e ele, imediatamente, vai procurá-la, deixando as outras noventa e nove no deserto. Quando a encontra, coloca a pobre criatura nos seus ombros. Para Jesus, um é equivalente a noventa e nove, talvez até a mais! Quem aceitaria isto? Quando se trata de salvar uma ovelha perdida, Jesus não se deixa desanimar pelos riscos que pode correr ou pelos esforços que serão necessários.
Terceiro defeito: Jesus não percebe nada de lógica

Uma mulher tem dez dracmas e perde uma. Então, acende uma lamparina para a procurar. Quando a encontra, chama as suas vizinhas e diz-lhes: «Alegrai-vos comigo, porque encontrei a dracma que tinha perdido» (Lc 15, 9). É realmente ilógico incomodar as suas amigas por causa de apenas uma dracma. E ainda mais fazer uma festa para celebrar o facto de a ter encontrado. Para além de que, ao convidar as suas amigas para uma festa, ela vai gastar mais do que vale a moeda que achou. Nem todas as dez moedas que tinha em casa seriam suficientes para cobrir os gastos com a celebração…
Jesus, como conclusão daquela parábola, mostra-nos a estranha lógica do seu coração: «Eu vos digo que do mesmo modo haverá mais alegria no céu por um só pecador que se arrependa, do que por noventa e nove justos que não precisam de arrependimento». (Lc 15, 7)

Quarto defeito: Jesus é um aventureiro

O responsável pela publicidade e marketing de uma empresa, ou quem se apresenta como candidato às eleições, prepara um programa detalhado com muitas promessas. No entanto, com Jesus, não aconteceu nada de semelhante. A sua propaganda, se avaliarmos com olhos humanos, está condenada ao fracasso. Ele promete a quem o segue processos em tribunal e perseguições. Aos seus discípulos, que tinham deixado tudo para O seguir, não lhes garante comida nem alojamento, apenas partilhar o seu próprio modo de vida. A um escriba, que desejava junta-se aos Seus discípulos, Jesus responde: «As raposas têm tocas e as aves do céu, ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça». (Mt 8, 20)
A passagem evangélica das Bem-aventuranças, verdadeiro «autorretrato» de Jesus, aventureiro do amor do Pai e dos irmãos, é, do princípio ao fim, um verdeiro paradoxo, ainda que estejamos habituados a escutá-Lo:

«Bem-aventurados os pobres em espírito…, bem-aventurados os que choram…, bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça…, bem-aventurados sereis quando vos caluniarem, quando vos perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por causa de mim. Alegrai-vos e exultai, pois será grande a vossa recompensa nos céus…». (Mt 5, 3-12)
Mas os discípulos confiavam naquele aventureiro. Há mais de dois mil anos e até ao fim do mundo não se acaba o número daqueles que seguiram Jesus. Basta ver os santos de todos os tempos. Muitos deles formam parte daquela bendita associação de aventureiros. Sem morada, sem telefone, sem fax…!

Quinto defeito: Jesus não percebe nada de finanças nem de economia
Pagamento aos trabalhadores da vinha
Recordemos a parábola dos trabalhadores da vinha: «O Reino dos Céus é semelhante a um pai de família que saiu de manhã cedo para contratar trabalhadores para a sua vinha. Saiu também pelas nove horas, pelo meio-dia, pelas três e pelas cinco horas da tarde… e enviou os trabalhadores contratados à sua vinha. Ao entardecer, começando pelos últimos e acabando nos primeiros, pagou um denário a cada um». (Mt 20, 1-10)

Se Jesus fosse nomeado administrador de um grupo ou director de uma empresa, essas instituições empobreceriam e iriam à bancarrota: como é possível pagar a quem começa a trabalhar às cinco horas da tarde um salário igual a quem trabalha desde a alvorada? Trata-se de um lapso, de um descuido, ou Jesus terá feito mal as contas?
Não! Jesus fê-lo de propósito, porque Ele mesmo explica: «Não tenho o direito de fazer o que eu quero com o que é meu? Ou o teu olho é mau porque eu sou bom?». (Mt 20, 15-16)

E nós temos acreditado no amor.
Porém, perguntemo-nos: porque é que Jesus tem estes defeitos?

- Porque é Amor. O Amor autêntico não raciocina, não mede, não levanta barreiras, não faz cálculos, não lembra ofensas e não põe condições.
(Cardeal Francisco Xavier Nguyen Van Thuan)
Tradução (mais ou menos livre) de José Pinto
Texto original

Também poderá gostar de ler sobre...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...