Vaticano propõe «viagem entre arquitetura, cultura e música»



Vaticano propõe «viagem entre arquitetura, cultura e música»

A primeira participação da Santa Sé na Bienal de Arquitetura de Veneza, que decorre até 26 de novembro, está na base do projeto “Geometrias do Espírito: Uma viagem entre arquitetura, cultura e música”, que o Vaticano propõe para 21 de setembro. A iniciativa do Átrio dos Gentios, plataforma da Igreja católica para o diálogo entre crentes e não crentes coordenada pelo Conselho Pontifício da Cultura, apresenta-se como «uma sinfonia de vozes e emoções», naquele que promete ser um «encontro cultural exclusivo e inédito». Saiba mais

Natureza, cultura, pecado
A cultura é um permanente movimento – na realidade, um ato – dialético entre as possibilidades próprias que constituem a natureza humana e a concretização de tais possibilidades, precisamente em ato. No entanto, cada nova concretização – e é este facto que implica uma estrutura dialética irredutível – é, imediatamente, um dom, cultural, que serve de base ontológica para que possa haver outro – outros – atos culturais; e, assim, até um virtual infinito teórico, salvo aniquilação, auto ou hétero operada, de tal dialética. Saiba mais

De cabeça erguida: Jornal do Vaticano evoca escritor Alexander Soljenítsin
Passaram 10 anos sobre a morte de Alexander Soljenítsin (3.8.2008), e a 11 de dezembro assinalar-se-ão os 100 anos do seu nascimento. O valor que tinha em vida não diminuiu após o seu desaparecimento. Aliás, onde as paixões políticas deixaram espaço a um juízo mais racional, a evidência do seu valor tornou-se clara: o escritor marcou a história do século XX pelo olhar que teve sobre o ser humano, um olhar que soube mostrar a sua inexauribilidade, inclusive quando tudo parecia condenar o homem e reduzi-lo a um mísero grão de areia, varrido pela aleatoriedade dos acontecimentos ou triturado pela máquina do poder. Saiba mais

O rosto global da “teologia da prosperidade”
«O risco é que os pobres que fiquem fascinados por este pseudo-Evangelho permaneçam imbricados num vazio político e social, que permite com facilidade a outras forças plasmar o seu mundo, tornando-os inócuos e sem defesas. O “evangelho da prosperidade” nunca é factor de mudança real, que é fundamental na visão da doutrina social da Igreja.» No extremo oposto coloca-se o ensinamento do papa Francisco, que em várias ocasiões ao longo dos cinco anos de pontificado tem levado a peito as ilusões propagandeadas pela “teologia da prosperidade”. Saiba mais

Uma injustiça social de Jesus?
Estritamente falando, aquele patrão que paga a todos um denário, reservando-o inclusive a quem trabalhou uma só hora da tarde, age, por um lado, corretamente, na base do contrato “separado” estipulado com cada um; mas por outro lado não é certamente um modelo de justiça nas relações industriais. Qual é, então, o sentido da parábola, tendo em mente que não pode ser orientado para a injustiça social? A lição é de índole religiosa e existencial. Saiba mais

Fonte: Newsletter do Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura

Sem comentários: