Mensagem do Sr. Bispo de Vila Real para a Semana dos Seminários


A formação de discípulos missionários e de pastores do Povo de Deus
Queridos Diocesanos, Irmãs e Irmãos em Cristo!
1.- Jesus exorta a pedir a Deus que mande trabalhadores para a seara, porque a messe é grande e os operários são poucos. A oração é decisiva, mas deve ser acompanhada do ardor e testemunho dos discípulos, seguidores e arautos de Jesus Ressuscitado. A missão pede a oração e não existe sem amor a Cristo e sem ardor na irradiação da Boa Nova do Filho de Deus. O chamamento divino à plenitude da vida e à santidade exige oração, empenho, envolvimento comunitário. As vocações são o fruto do fervor e da solicitude das pessoas na comunidade. Há que formar discípulos para proclamarem a Boa Nova que Jesus traz e é objecto de reflexão, na Semana dos Seminários de 11 a 18 de Novembro, com o tema de formar discípulos missionários. Ninguém fique de fora, nem deixe de apreciar o incomensurável valor do Evangelho de Cristo, sendo arautos e discípulos de Jesus, em êxodo, obedientes à aprendizagem e ao anúncio da Boa Nova.
A vocação ao sacerdócio ministerial nasce na família, cresce, na comunhão paroquial e eclesial e é plasmada, à medida da plenitude de Cristo, no Seminário, onde cresce e amadurece o germe da vocação ao ministério sacerdotal. “Seminário” é o viveiro das sementes do chamamento de Deus para o sacerdócio ministerial, em ordem à missão. Entre a Família, a Paróquia, o Seminário e a Igreja missionária, comunhão de discípulos e testemunhas de Jesus, deve haver colaboração, sintonia, estando todos mobilizados para conhecer e anunciar o tesouro de Cristo, Vida, Salvador e Esperança.
2.- O Seminário, os Seminaristas e os Educadores precisam do amplo apreço dos Fiéis e dos Sacerdotes da Diocese. Precisam da oração, da protecção de Deus, que é essencial. E precisam de dinheiro e de bens materiais, para a instituição viver e formar discípulos missionários do Ressuscitado. A situação económica do Seminário é grave, por isso, agradeço a tantas pessoas, que dão ao Seminário o pequeno óbolo da viúva, bem conscientes dos deveres cristãos e eclesiais, contribuindo para a formação de Padres e Pastores, que serão agentes do anúncio de Cristo e da Boa Nova. Agradeço a dádiva de pessoas, que contribuem para a sobrevivência do Seminário e dos Seminaristas. Muito obrigado a vivos e defuntos. Que Deus recompense os vivos e aos defuntos conceda a felicidade eterna, na glória do Ressuscitado, que apareceu a Pedro, perguntando-lhe, por três vezes, se ele O amava mais do que aos colegas presentes. Após a morte e a sepultura de Jesus, Pedro traumatizado, volta ao passado, vai pescar peixes em vez de homens, esquece o mandato missionário. Mas Pedro devia reavivar o dom recebido, a fidelidade e obediência ao Mestre, que o chamara, para presidir à Igreja e confirmar na caridade os irmãos. O Ressuscitado e o Espírito levam Pedro à fidelidade, a aprender do Senhor, a testemunhar, a sair de si, a deixar-se cingir, invertendo a marcha, para ser crucificado, dando glória a Cristo ao qual entregara o coração.
3.- Jesus enviou Pedro a pescar homens, a deixar-se cingir e seguir o Mestre, com um amor indiviso. O decisivo é o amor a Cristo, que é a nossa vida, referência única e o grande enunciado a transmitir. O empenho, em prol do Seminário, a fim de amparar e guiar as vocações ao sacerdócio ordenado, é fruto do amor a Jesus Cristo e do amor à missão que Cristo nos confiou de O tornar conhecido e amado. Assim contribuímos para a formação de discípulos do Senhor e para o incremento da acção missionária e evangelizadora, a qual, na oração, não dispensa os meios materiais necessários para o anúncio da Boa Nova.
Recordo o Projecto das Bolsas de Estudo, em prol dos Seminaristas Pobres desejosos de aprender a darem-se, por amor de Cristo, em prol da evangelização. Agradeço-vos, Irmãos, o empenho e a generosidade, em prol do Seminário, cuja finalidade é formar discípulos, seguidores e missionários de Jesus, cientes de que, em razão do Baptismo e da inserção no mistério pascal do Filho de Deus feito homem, todos temos obrigação de O tornar conhecido e amado de todos.
Imploro para Vós as bênçãos de Deus e, desejo-vos um feliz, santo e frutuoso Advento de preparação para a Festa da Encarnação do Filho de Deus que se aproxima.
Vila Real, 9 de Novembro de 2018.
+ Amândio José Tomás, bispo de Vila Real
Nota: os negritos são da responsabilidade da equipa do blogue

Sem comentários: